terça-feira, 27 de novembro de 2012

2351

E há que seguir em frente, dizia o meu cérebro para ele enquanto captava o que tu lhe dizias, há que correr para novas marés, há que conhecer pessoas novas, há que nascer novos sentimentos, nisto o meu coração sufocou um bocado, e começou a disparar cada vez mais, já só ouvia o vibrar do telefone bem lá ao fundo e as letras ofuscadas das tuas mensagens pela minha mente, eu sou forte, eu não vou ceder, dizia eu a mim própria. Mudei a conversa e comecei por falar com palavras que sabia que te iam magoar à partir, dei um murro na mesa e ao mesmo tempo escrevi "NÃO!", com toda a força do mundo eu rejeitei-te e deixei-te só naquela noite, na noite que tu foste à minha terra natal, na noite que era para dormir-mos juntos, eu uma vez na vida contrariei o coração e senti o que era ter o poder de ser forte, no corpo; a partir daí saberia que muito mais iria sair de mim, que era capaz de te passar ao lado como um obstáculo e seguir caminho, afinal a verdade é que a minha mente e o meu corpo conseguem todas as vezes, mas o meu coração ainda se arrepende, mas vai-se deixar disso, vai-se deixar disso.

4 comentários:

Catarina. disse...

Pois está, adoro a fotografia, transmite mesmo um amor mãe-filho . :')

claire disse...

ao som desta música tudo o que leio é bom.sempre bom

Aurora disse...

não tens de quê, princesa

daniela disse...

é verdade Mel*