quarta-feira, 5 de outubro de 2011

listen

Estava nervosa, e ia a acender um cigarro, mas no momento tu disseste para eu não o fazer, e eu não o fiz, guardei o cigarro de novo na mala e fiquei calada, quieta e atenta ao que tu me querias dizer. Começaste por falar que as coisas entre nós já tinham corrido mal uma vez, mas também que não valeria de nada estar a falar do passado agora. Disseste que não querias voltar a sofrer e que muito menos me querias fazer sofrer a mim, depois falas-te que não tinhas ninguém, e isso a mim era para me deixar confortada, mas não deixou. Também disseste que se eu te visse com alguma rapariga, para não me assustar, porque tu não irias gostar dela, nem sequer gostavas; eu já farta de ouvir todas as tuas desculpas, mandei-te calar, e disse que não queria certamente ouvir mais nada, que estava farta que tu fugisses sempre do óbvio e que passaste por entre as minhas palavras que às vezes para ti parecia que não tinham valor. Tu calaste-me e sabias que a única maneira de o fazer era me dares um beijo, então assim o fizeste, deste-me um beijo, e eu calei-me porque gosto de ti, e achava que não valia a pena estarmos-nos a magoar de novo. Mas até quando, até quando nós nos vamos magoar com as palavras, e com os sentimentos escondidos? Diz-me!

4 comentários:

-t* disse...

força !

inêsf. disse...

oh meu deus, nem comento o post ...

maria gabriella disse...

sim, é muito fofinha *.* e vai ser linda, eheh

inêsf. disse...

porque é exatamente esta pergunta que lhe quero fazer:"Mas até quando, até quando nós nos vamos magoar com as palavras, e com os sentimentos escondidos? Diz-me!"