sábado, 16 de julho de 2011

ainda continuas a vaguear

O meu quarto continua exactamente como o deixaste desde da última vez que estiveste cá, não consegui nem consigo fazer quais-queres  alterações nele. O teu cheiro ainda permanece no meu corpo, assim como na minha alma. A minha almofada continua no mesmo sitio que a deixaste. Depois da tua partida tudo continua igual, eu, continuo perdida por aí, ainda à tua procura, e tu andas numa inquietação imensa para que te encontre; quando por fim te volto a encontrar, tu mudas o destino, tu mudas as respostas, as perguntas e os finais. Não sei porque o fazes, não sei se por medo, se por falta de coragem de me enfrentares. A verdade é que também queres que eu te encontre, já te procurei no sitio onde costumavas estar sempre, e nem mesmo aí permaneces. Deixa-te de jogos, a minha cabeça já não tem onde armazenar tantas palavras e gestos, por isso deixar de fugir, deixa de traçar outras linhas, entrega-te como se fosses um ser que ainda não soubesse nada da vida, e aí darás razão a tudo o que te tenho tentado dizer estes meses todos.

1 comentário:

Ana Margarida disse...

Está lindo, querida e ele, um dia, há-de te dar razão ..