domingo, 1 de abril de 2012

strange friendships

O medo de te perder assustava-me, não me sentia capaz de dar um passo sem ti, de te deixar para trás, de te deixar mandar no meu coração que era todo teu, mas que tu por vezes maltratavas tanto, não me sentia segura sem ti, e muito menos me imaginava livre ou ao lado de outro alguém, muito menos te imaginava a ti com outra pessoa, ou feliz sem mim; a verdade é que durante um ano vivi em função de ti, e só de ti, talvez até tenha deixado um pouco de viver e muitas coisas para trás, e muitas das vezes tu nem querias saber se eu estava bem, se mal, começaste a interessar-te um pouco antes de eu querer meter um ponto final em tudo, e a minha mente foi atrás da tua, deixando-me a pensar que eu é que tinha errado, e não tu. Agora és passado, és amigo, mas acima de tudo sei ver que fizeste muito por mim, mas não mais que eu, arrumei-te as malas, e arrumei o meu coração, para nunca mais entrares, e assim foi, nunca mais olhei para trás, deixei de te ver e parti, e o meu coração foi comigo, livre, e sem nada para o aprisionar. Se estou feliz? Sim, tal como tu, mano :)

4 comentários:

mariana disse...

É tão bom orgulharmo-nos daquilo que somos sem as pessoas que pensavamos que eram a nossa vida. adorei :)

Jace disse...

como me identifico com este post*

Aurora disse...

Como tu docinho <3

sam disse...

sou?