segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

gray days

E as horas parecem passar tão devagar, e eu continuo quieta, calada, e surda, no sossego dos meus dias, ou pelo menos tento ficar no meu canto, sem andar por aí à deriva como um barco perdido no meio do oceano. Vou permanecer assim, até que tu, decidas quebrar aquilo que se instaurou de novo entre nós.

2 comentários:

angel disse...

nunca mais ;)

Mariana disse...

isso dá cabo de nós...