quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

better than nothing

E os beijos amargurados, com abraços ternos e demorados, como se o nosso corpo necessita-se deles para se sentir vivo. Os poros transpiram sentimento, mas a cabeça faz com que as palavras sejam sempre diferentes do que as palavras que vem de dentro, do coração. Embora o silêncio por vezes seja ingrato e obscuro há que optar por ele, não porque queremos, não porque faz falta, mas apenas para sentir-mos quem sente a nossa falta.

6 comentários:

sam disse...

perco-me tanto no teu blog!

sam disse...

escreves coisas lindas

bruni disse...

que bonito, oh

Andreia' disse...

Está lindo!

bruni disse...

obrigada eu, gosto tanto disto por aqui

sam disse...

obrigada fofinha. e sim é, muito mesmo.