quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

saudades avô

Ainda hoje me pergunto porque partiste assim, sem te despedires de mim, sem me dares um abraço, sem me contares uma piada para eu me rir. Desde de pequena que estava habituada a ir contigo a muitos sítios, por muito invulgares que fossem, cresci ali ao pé de ti e recordo-me todas as vezes que tu me davas uma nota de cinco euros quando eu te ia visitar. Lembro-me também que eras tu que me deixavas comer a salada de alface com as mãos e que me deixavas sempre andar atrás de ti enquanto tu tomavas conta da quinta. Também sei que as melhores memórias que tenho contigo são de quando era mais pequena, mas não foi por isso que o sentimento diminui, não foi por isso que deixaste de ser o meu grande avô. Percebo que hoje devemos dar tudo e demonstrar o quanto gostamos das pessoas enquanto elas estão connosco, porque depois de elas partirem para um lugar longiquo, não vale de nada chorar a sua partida, se sabemos que não é assim que as temos de volta. Eu posso sorrir todos os dias, mas não é por isso que me esqueço de ti, não é por isso que esqueço que estás comigo, e ainda hoje quando me falam sobre esse assunto os meus olhos enchem-se de lágrimas, essas que não consigo controlar. Lembraste daquele rádio que disseste à avó que era para mim? A avó já me o deu, e ele está aqui comigo agora, e todos os dias eu o utilizo para ouvir os cd's que tenho por aqui guardados, é triste já não te poder agradecer, é horrível saber que quando lá vou à aldeia tu já não estás lá, nem parece a mesma coisa, está tudo tão diferente, tudo tão estranho. Estou quase a fazer anos, e só de saber que já não vou receber a tua chamada a desejar um feliz aniversário, nem sei que pensar, a saudade é enorme, é gigante. Sei que agora estás a olhar por mim, e acredito que és o meu anjo da guarda, protege-me, protege-me de tudo como sempre fizeste, como sempre soubeste fazer, por favor olha por mim aí em cima, eu sei que um dia nos havemos de reencontrar. Um grande beijinho desta tua neta de coração despedaçado, mas de alma cheia, só por saber que teve um avô como tu. 

2 comentários:

ana patrícia disse...

é mesmo isso :)

Jace disse...

obrigado princesa (:
ui, a serio?
como me identifico tanto com este texto :s