domingo, 18 de dezembro de 2011

fazes-me falta

“Chamo-lhe amor para simplificar. Há palavras assim, que se dizem como calmantes. Palavras usadas em série para nos impedir de pensar. O que existia, existe, entre nós, é uma ciência do desaparecimento. Comecei a desaparecer no dia em que os meus olhos se afundaram nos teus.”

1 comentário:

Izza Shocks. disse...

Adoro! Um grande beijo*