terça-feira, 6 de dezembro de 2011

don't no

Estou como um barco perdido no meio do oceano, já não tenho como remar, é como se o barco se afunda-se a cada passo mal dado, e como se depois não conseguisse vir mais à superfície. Tento estar bem, mas é como se algo dentro de mim gritasse bem alto que em mim só permanece o vazio, só permanece o frio, aquele frio que tu deixaste ao dizer tais palavras, aquele frio que nem o tempo sabe como curar. Continuo perdida, e não sei como sair de um labirinto sozinha, e tão grande; olho em volta e nada me pode salvar, só vejo escrito nas paredes o teu nome, e a seguir a tua voz aterroriza a minha mente como se nada fosse. Vejo o adeus marcado quase a ferros numa parede em branco onde só persiste o fim. Não aguento. Não consigo. Não suporto mais isto. Não suporto mais viver assim, e ter de me mentalizar que tu já não estás, custa, custa muito. 

3 comentários:

Katty disse...

Se custa. Mas acredita que o barco não se vai afundar e vai levar-te a outro porto ;)

Katty disse...

Não te conseguires ver noutro porto é o normal, mal seria se já estivesses a ver-te.
Quanto ao medo de quando ele voltar já ser tarde demais e te perderes isso já não vai acontecer, porque já não sentes nada por ele.
Se te perderes é porque ainda sentes alguma coisa (talvez não seja tarde demais) e aí terás de avaliar a situação. Se vale ou não a pena arriscar outra vez.

Mariana Ferreira disse...

orelha direita, meio da cartilagem :)