quarta-feira, 16 de novembro de 2011

mais um

E os dias cada vez parecem mais cinzentos, as manhãs tristes e as noites frias que me arrepiam o corpo todo. Nunca pensei sentir a falta de alguém como sinto a tua, e nunca pensei gostar tanto de alguém como gosto de ti, mas a vida é assim, à mínima chance prega-nos partidas das quais nós por vezes nem sequer conseguimos dar-lhe a volta. E assim continuo calada, quieta aqui no meu canto, ouvindo-se apenas a minha respiração e o meu coração a bater umas vezes lento, outras vezes acelerado. A minha alma grita, e por vezes nem sequer consegue perceber a minha dor, aquela que trago dentro de mim à vários meses, aquela que às vezes chega o sufocar tanto, tento gritar mais alto, mas já não existe ninguém para me ouvir, estou só, apenas eu, e a minha dor constante, é difícil reencontrar-me neste mar de dúvidas e de pensamentos. Dizem que quando uma rapariga virá má é para sempre, e acho que virei má meu amor, má para sempre.

1 comentário:

paulamaria disse...

compreendo tanto.
estou a passar por algo muito parecido mas tens de ser forte.
beijinho <3