terça-feira, 27 de setembro de 2011

e isto continua

Estava calma, nessa noite eu achava que tudo ia dar certo, tinha um feeling tão certo e tão poderoso dentro de mim, era sexta feira à noite e passava pouco à meia noite, eu falava com os meus amigos enquanto os meus lábios saboreavam a bebida que entrava dentro de mim aos poucos e poucos; de repente entraste tu, eu olhei para ti com um olhar verdadeiro como se a saudade se transborda-se pelos meus olhos, nesse momento o meu coração começou a explodir e eu sentia as minhas pernas como varas verdes. Não tive coragem de olhar mais para ti, mas algo me dizia que eu devia fazer qualquer coisa para te ter naquela noite, mas o meu orgulho fala sempre primeiro que eu, então esqueci-me de ti. Tu saíste e eu passado quase uma hora sai do bar onde estava para ir ver do pessoal, ia eu a andar calma e serena quando me parei para atender uma chamada e te vejo a afastar dos teus amigos para dançares até mim, ignorei-te, virei a cara e fui-me embora, ao terminar a chamada, nem queria acreditar, no meu telemóvel permanecia o teu numero e dizia "1 mensagem nova", não tinha tal coragem para a abrir, e só a abri quando cheguei ao pé deles, e a mensagem dizia assim "ah quando me vês vais-te embora?", limitei-me a responder-te, porque sabia que se não o fizesse me iria arrepender, por isso assim o fiz. Voltei para o bar, e lá estavas tu, viste aproximar-se de mim muitas pessoas do sexo oposto e começaste a ser parvo, e eu ganhei coragem e fui ao pé de ti, disse-te algumas coisas sobre mim e tirei-te todas as dúvidas, disseste-me para sair-mos dali e eu passado algum tempo cedi, e fomos para um sitio mais calmo. Não sabia que te dizer, mas sabia que tinha de usar exactamente as palavras certas, comecei por dizer que tinha saudades tuas, e que me lembrava muito de ti, tu com o teu jeito desvias-te a conversa e disseste que não querias sofrer mais e que não me querias fazer principalmente sofrer a mim, depois de uma hora a ouvir-te dizer sempre a mesma coisa, disse para nos ir-mos embora; pedi para me levares a casa, e um amigo teu deu-me boleia, agradeci, e no final deu-te um beijo do tamanho do mundo, e parece que já estava a adivinhar que seria o último...

1 comentário:

raquel disse...

é difícil não é?