quinta-feira, 24 de março de 2011

tenho medo

Poderia dizer diversas coisas, poderia fazer várias coisas, podia ter gestos serenos e puros, podia ser menos fria, podia ser mais compreensiva, podia ter outra forma de lidar contigo, podia ser outra pessoa para ti, podia dizer que estou apaixonada por ti, poderia dizer que ainda não te esqueci e poderia dizer tudo aquilo que realmente sinto, mas tenho medo do e se, se esse que me faz atormentar todas as noites que deito a cabeça na almofada e me faz pensar muito até me deixar dormir, se esse que me tira longas horas de sono, que me deixa vazia, que me deixa sem saber o que fazer, ou dizer, se esse que estremece todo o meu corpo cada vez que penso nele, e que me deixa sempre com o coração aos saltos cada vez que vou tentar falar. Porque é que este se me faz pensar tanto? Acho que sei porque é, e não é medo, ou talvez seja, mas não esse medo que estás a pensar, é medo de vir a sofrer outra vez, é medo de te ver partir, medo de te perder de vez, medo de não te ter por perto e de não poder sequer tocar-te. Podes dizer-me porque me deixas assim? Entre cá e lá, entre lá e cá. Poderia dizer tudo e mais alguma coisa, mas tenho medo, não de ti, não de mim, não de nós, mas desse tempo, desse tempo que nos atraiçoa a cada passo nosso..

1 comentário:

Mafalda disse...

Adorei cada palavra, adorei mesmo.