sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

nada a dizer

Calei-me, sentei-me, respirei fundo e contei até dez, meti-me de pé, estava nervosa, e voltei a sentar-me; estava inquieta e não sabia bem o que se estava a passar comigo própria, parecia que percorriam por mim arrepios, que estremeciam o meu corpo todo, e eu como se nada se passa-se, queria parecer calma, queria transmitir que nada naquele momento me estava a afectar, o que me afectou algum dia. Permaneci calada durante o tempo que foi preciso para perceberem certamente que algo se passava comigo, excitei em olhar nos olhos de alguém para não perceberem que estava fraca, irrequieta, e no fim um pouco triste. Fui escorregando pela cadeira até quase cair dela, ele sorriu, e eu corei como se fosse uma miúda pequenina.

2 comentários:

béc's. disse...

está wow, lindo :o

ana cristina disse...

adoro a tua escrita e o teu blog *.*